Fale conosco pelo WhatsApp

Cirurgia de miomas uterinos

Nem sempre os miomas precisam ser tratados. Saiba em quais casos o procedimento cirúrgico é recomendado e como é realizado

Os miomas uterinos são tumores benignos que se formam no tecido muscular do útero, acometendo principalmente mulheres em idade reprodutiva. Esta é uma alteração relativamente comum e, na maioria dos casos, os miomas não provocam sintomas significativos, sendo diagnosticados em exames de rotina que incluem ultrassonografia ou histeroscopia.

Apesar de ser muito raro um mioma levar ao desenvolvimento de câncer com o passar dos anos, é fundamental que a mulher seja acompanhada pelo médico, pois os miomas podem estar associados a complicações como anemia, dores e até mesmo infertilidade.

Tratamento do mioma

Por ser uma alteração benigna, o mioma uterino nem sempre precisa de tratamento, apenas acompanhamento periódico para avaliar se houve progressão do tumor. Mesmo em casos de infertilidade, não são todos os miomas que estão associados à dificuldade de gravidez.

O tratamento da paciente dependerá da localização, do tamanho e da quantidade de miomas. No caso de infertilidade, apenas os miomas que se projetam para dentro da cavidade uterina (submucosos) ou os miomas maiores de 4-5 cm de diâmetro devem ser avaliados para uma cirurgia.

Nos casos em que a presença da alteração causa sintomas incômodos, como dor intensa ou menstruação abundante, o ginecologista poderá indicar:

  • Uso de anti-inflamatórios e analgésicos para controle das cólicas e redução do sangramento;
  • Uso de medicamentos hormonais;
  • Suplementação de ferro.

Quando o mioma começa a pressionar outros órgãos, causando sintomas intensos, a abordagem cirúrgica passar a ser considerada.

Cirurgia de miomas uterinos

A cirurgia de miomas uterinos geralmente é indicada quando os medicamentos não foram capazes de controlar os sintomas e o problema começa a causar impactos na qualidade de vida da mulher.

O procedimento também pode ser indicado quando há suspeita de malignidade do tumor ou nos casos em que a mulher apresenta dificuldades para engravidar (nesse caso, a localização do mioma pode levar a essa dificuldade).

Existem duas opções de cirurgia de miomas uterinos: a miomectomia e a histerectomia.

Miomectomia

Neste tipo de cirurgia de miomas uterinos, é retirado somente o mioma, ou seja, são preservados os órgãos reprodutivos da mulher.

A miomectomia está, habitualmente, indicada para as mulheres com miomas de grandes dimensões, ou com sintomas associados (como hemorragia vaginal e dores) e que pretendem preservar a sua fertilidade, mantendo o útero para uma possível gravidez no futuro.

Histerectomia

A histerectomia, por sua vez, é uma cirurgia de miomas uterinos que consiste na retirada do útero — seja de maneira total ou parcial. Esta é uma intervenção recomendada principalmente para mulheres que já tiveram filhos e não têm mais o desejo de engravidar.

Dependendo da gravidade da doença, pode ser necessária a retirada de estruturas associadas ao útero, como as trompas e os ovários.

Ambas as cirurgias de miomas uterinos podem ser realizadas por várias técnicas, como histeroscopia, laparoscopia, cirurgia robótica ou laparotomia (corte semelhante ao da cesárea).

Laparoscopia: são realizadas pequenas incisões na região abdominal, por onde o cirurgião insere uma microcâmera e os instrumentos necessários para a remoção do mioma ou útero. No caso de mioma, este procedimento só é utilizado quando ele está localizado na parede externa do útero;

Cirurgia robótica: semelhante à cirurgia de miomas uterinos feita por videolaparoscopia, só que é realizada por um robô guiado pelo cirurgião;

Laparotomia: este tipo de cirurgia de miomas uterinos é feito pela técnica convencional, na qual é realizado um corte na região da pelve, que vai até o útero;

Histeroscopia: o médico introduz o histeroscópio pela vagina, entrando na cavidade uterina pelo colo do útero, e retira o mioma, sem a necessidade de cortes. Este tipo de cirurgia de miomas uterinos somente é recomendado no caso de o mioma se projetando para dentro da cavidade uterina. Miomas que estão apenas na musculatura uterina (intramurais) ou se projetando para fora do útero (subserosos) não são possíveis de serem operados por histeroscopia.

As cirurgias de miomas uterinos minimamente invasivas, como a histeroscopia, a laparoscopia e a robótica, permitem que haja uma maior precisão cirúrgica e menor tempo de recuperação pós-operatória da paciente. Além disso, as cirurgias minimamente invasivas deixam menores cicatrizes.

Cuidados pré-operatórios da cirurgia de miomas uterinos

O preparo para a cirurgia de miomas uterinos inclui:

  • Avaliação e exame físico completo da paciente;
  • Exames de imagem — ultrassonografia transvaginal e/ou ressonância magnética de pelve;
  • Hemograma completo;
  • Eletrocardiograma;
  • Radiografia de tórax;
  • Avaliação pré-operatória — realizada pelo anestesista e cardiologista, se necessário.

Em casos específicos o médico pode indicar o uso de medicações antes da cirurgia, na tentativa de reduzir o tamanho do mioma para diminuir o risco de sangramento.

Cuidados pós-operatórios da cirurgia de miomas uterinos

No caso da miomectomia, normalmente a recuperação deste tipo de cirurgia de miomas uterinos é rápida, mas é necessário que a mulher fique de repouso por, pelo menos, uma semana, para que a cicatrização ocorra de maneira completa.

Neste período, deve-se evitar todo tipo de esforço físico. O contato sexual só deve ser feito 40 dias após a cirurgia de miomas uterinos para evitar dores e infecções.

Já a histerectomia é um tipo de cirurgia de miomas uterinos que demanda um tempo maior de recuperação. Normalmente, é indicado que a paciente faça repouso, evitando pegar pesos, fazer atividades físicas ou movimentos bruscos por pelo menos três meses.

Ela também deve evitar o contato íntimo por cerca de seis semanas ou de acordo com orientação médica.

Caso a mulher apresente sintomas como mau cheiro na vagina, corrimento vaginal e sangramento muito intenso, de cor vermelho vivo, deve entrar em contato imediatamente com o seu médico.

O risco de recidiva do mioma uterino é de cerca de 20 a 30%, dependendo da localização, do número e tamanho do mioma.

Quais os riscos da cirurgia de miomas uterinos?

O principal risco da cirurgia de miomas uterinos é o sangramento, além do risco de infecção, comum a todo procedimento cirúrgico. Como o mioma tem vascularização própria, responsável por fornecer suprimentos para o seu crescimento, para que ele seja retirado é preciso cauterizar esses vasos. Além disso, a própria abertura na parede do útero para acessar o mioma provoca sangramentos.

No caso de haver um sangramento muito intenso, pode ser necessária a retirada do útero por completo (histerectomia) e não somente do mioma. Este é um evento raro, porém toda paciente deve estar ciente antes de realizar a cirurgia.

Além disso, como o útero está localizado entre órgãos importantes, como o intestino, bexiga e ureteres, há o risco, embora raro, de lesão desses órgãos. sendo uma possível complicação a lesão desses órgãos.

Por isso é muito importante contar com um profissional especializado em cirurgia de miomas uterinos. Quando bem avaliada e indicada, a cirurgia de miomas uterinos não é perigosa. Porém, todo procedimento cirúrgico, deve ser realizado por um médico experiente, em ambiente adequado e com toda a infraestrutura para que sua realização seja segura.

 

Fontes:

Clínica de Reprodução Humana Mater Prime

Ministério da Saúde

Febrasgo

Pronto para conhecer os tratamentos e serviços
inovadores oferecidos pela Mater Prime?

Agende uma consulta para avaliação com os nossos profissionais.

Calculadora do Período Fértil Calculadora do Período Fértil

Adicione os seus dados na calculadora de período fértil e descubra qual é o dia previsto de sua ovulação para programar sua gravidez ou se prevenir de uma gestação fora dos planos.