Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)

Fale conosco pelo WhatsApp
Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)

Conhecida pela sigla SOP, a Síndrome dos Ovários Policísticos é um distúrbio endócrino associado à alteração dos níveis hormonais com prejuízo na ovulação feminina.

A Síndrome dos Ovários Policísticos, também identificada pela sigla SOP, é um distúrbio endócrino-metabólico complexo que causa diversas alterações no organismo feminino, levando a alterações na ovulação e em diversos outros fatores que influenciam na fertilidade. Não se trata de uma doença única, mas de um conjunto de manifestações que estão associadas à mesma fisiopatologia. A condição é bastante comum e pode acometer mulheres de todas as idades, embora seja mais frequente pacientes mais jovens.

Estima-se que a Síndrome dos Ovários Policísticos afete cerca de 7% das mulheres em idade reprodutiva, embora um número muito maior de pacientes apresente cistos ovarianos. É importante entender que uma pessoa ter ovários policísticos não significa necessariamente ter a síndrome e sofrer com seus sintomas. Para caracterizar a SOP, é necessário que a paciente apresente ciclo menstrual irregular e aumento de hormônios masculinos, que podem ser vistos ao exame ou clinicamente.

Causas da síndrome dos ovários policísticos

Ainda não se conhece a causa específica que leva ao desenvolvimento da Síndrome dos Ovários Policísticos, mas sabe-se que metade das mulheres com essa síndrome tem problemas hormonais, como excesso de produção de insulina pelo pâncreas. O restante delas apresenta problemas nas glândulas hipotálamo, hipófise e adrenais, produzindo maior quantidade de hormônios masculinos.

A SOP pode ainda estar associada à herança genética, a problemas de metabolismo e à obesidade. Além disso, um estilo de vida inadequado — com alimentação pouco saudável e ausência de atividades físicas — é frequentemente apontado como uma das prováveis causas da doença.

Como a Síndrome dos Ovários Policísticos é diagnosticada?

O diagnóstico da Síndrome dos Ovários Policísticos geralmente é feito por um médico ginecologista com base na identificação dos sintomas e na análise de exames de sangue, para dosagem de hormônios, e ultrassonografia. Para a confirmação da alteração é necessário que a mulher, obrigatoriamente, apresente pelo menos dois dos seguintes critérios:

  • Irregularidade menstrual, com ciclos de intervalos longos;
  • Presença de múltiplos cistos visíveis por meio de ultrassonografia;
  • Características clínicas ou laboratoriais que apontem para o aumento dos hormônios masculinos.

Com base nesses critérios é possível afirmar que mesmo mulheres que menstruam regularmente podem ter a SOP, ao passo que pacientes que sofrem com o problema não necessariamente vão apresentar vários cistos visíveis no ovário.

A Síndrome dos Ovários Policísticos geralmente é mal diagnosticada e não tratada. A SOP sem tratamento pode levar a uma série de condições mais sérias de saúde, como aumento do risco de diabetes tipo 2, infertilidade, apneia do sono, gordura não alcoólica no fígado, doenças cardiovasculares, depressão ou até mesmo câncer no útero.

Principais sinais e sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos

Os sintomas da SOP geralmente começam a se manifestar na puberdade e tendem a piorar com o passar dos anos. As manifestações clínicas associadas à alteração podem variar de uma mulher para outra e conforme ocorrem mudanças hormonais. Os principais sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos são:

  • Menstruação irregular ou ausência de menstruação;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Aumento da oleosidade da pele e formação de acne;
  • Aparecimento de pelos no rosto e no corpo;
  • Aumento do peso corporal;
  • Queda de cabelo;
  • Aparecimento de manchas na pele, principalmente na região das axilas e atrás do pescoço;
  • Aumento dos seios;
  • Mudanças de humor, com crises de depressão e cefaleia.

Como tratar a Síndrome dos Ovários Policísticos?

No caso de mulheres obesas, a perda de peso ajuda a reverter o quadro. Se a obesidade não for um fator de risco para a SOP, é possível que o médico indique um tratamento para o controle da produção de hormônios masculinos. Alguns dos medicamentos recomendados para esse fim podem também ajudar na regulação da menstruação, na redução da produção de sebo pelas glândulas sebáceas e na diminuição do crescimento de pelos.

O uso de contraceptivos hormonais orais também pode ajudar na regulação dos ciclos menstruais, minimizando também os riscos de câncer do endométrio.

Como na SOP há tendência ao ganho de peso, o tratamento pode incluir medicamentos para prevenir o diabetes e outros para evitar o colesterol elevado. Os casos de infertilidade também respondem bem ao tratamento com medicamentos.

Síndrome dos Ovários Policísticos e infertilidade: qual a relação?

Síndrome dos Ovários Policísticos é um importante fator de infertilidade feminina; estima-se que o problema esteja relacionado a 30% dos casos em que a dificuldade para engravidar está associada ao organismo da mulher. Isso acontece porque a SOP é causada por um desequilíbrio hormonal que, entre outras coisas, leva a alterações no ciclo ovulatório e menstrual.

Como consequência desse processo, a tendência é que a paciente com SOP tenha mais dificuldades para engravidar naturalmente, especialmente se não houve um controle adequado da doença ao longo dos anos.

Para as pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos que desejam engravidar, o tratamento de escolha normalmente é a indução da ovulação por meio de medicamentos orais como o letrozol e o citrato de clomifeno. A administração desses fármacos deve ser monitorada por meio de ultrassonografias que avaliam a resposta ovariana, cabendo ao especialista ajustar a dose utilizada para alcançar uma resposta adequada e evitar hiperestimulação e gestação múltipla.

No caso de pacientes com SOP que apresentam resistência à insulina, o medicamento utilizado é a metformina — que, dependendo do quadro, pode ser associado aos indutores de ovulação. Nos casos em que não houve resposta satisfatória a esses tratamentos, pode ser indicada a aplicação de hormônios injetáveis para estimulação ovariana. É fundamental que todos esses tratamentos sejam recomendados e conduzidos por um especialista.

Para aumentar as chances de gestação, o uso desses medicamentos pode ser combinado à técnica de coito programado, que consiste basicamente no acompanhamento do ciclo fértil e manutenção de relações sexuais no período mais favorável a uma gestação. Dependendo do caso, pode ser recomendada a realização de um procedimento de inseminação intrauterina ou de alta complexidade, como a fertilização in vitro.

Convivendo com a SOP

Síndrome dos Ovários Policísticos é uma condição que não tem cura, mas o tratamento adequado é capaz de prevenir as consequências do problema. Para conviver bem com a SOP, geralmente é recomendado que a paciente faça mudanças significativas em seu estilo de vida, adotando uma alimentação equilibrada, praticando exercícios físicos regularmente e realizando o devido acompanhamento médico. Portanto:

  •  Faça os exames ginecológicos sempre que o médico solicitar;
  •  Não se descuide. Mulheres com a Síndrome dos Ovários Policísticos correm maior risco de desenvolver problemas cardiovasculares na menopausa;
  •  Mantenha o peso controlado. A obesidade agrava os sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos, além de causar uma série de complicações.

Para saber mais a respeito da Síndrome dos Ovários Policísticos e como este problema pode ser contornado para a concretização do sonho da maternidade, entre em contato e agende uma consulta com os profissionais da Mater Prime.

Fontes:

Biblioteca Virtual em Saúde

MSD

Clínica de Reprodução Humana Mater Prime

Sociedade Brasileira de Patologia

Fatores de Infertilidade Feminina

Instagram Dr. Rodrigo RosaYoutube Dr. Rodrigo Rosa x