Engravidar após o aborto é possível?

Fale conosco pelo WhatsApp

É possível ter uma nova gravidez saudável após um episódio de perda gestacional desde que sejam realizados os tratamentos adequados

Uma perda gestacional é sempre um momento muito difícil para a mulher ou o casal que sonha em ter um filho. Por esse motivo, é muito comum que, passado o trauma da difícil perda, uma das perguntas mais frequentes nos consultórios dos médicos especialistas em reprodução humana é se é possível engravidar após aborto.

Dependendo das circunstâncias, é, sim, possível engravidar após aborto. Para isso, é importante que seja feita uma avaliação das causas do abortamento para que sejam adotadas as melhores estratégias para que uma nova gravidez seja estabelecida com boas chances de sucesso.

Quando voltar a tentar engravidar após um aborto?

Após um aborto, é importante que o corpo da mulher se adapte novamente para conseguir engravidar mais uma vez. Nesse contexto, a adaptação deve envolver não somente a saúde física, mas também a saúde emocional de ambos os membros do casal.

De forma geral, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda um período de pelo menos seis meses para engravidar após um aborto espontâneo. Esse período é suficiente, segundo a OMS, para a plena recuperação da capacidade física e emocional de manter uma gravidez.

No entanto, existem estudos que sugerem que é possível engravidar após o aborto antes de seis meses. O que depende, nesses casos, é da capacidade da paciente de se recuperar de acordo com o fator causador da perda gestacional. Dependendo da situação, e caso o corpo esteja plenamente preparado, já é possível iniciar os tratamentos para engravidar a partir de 15 dias.

Por isso, ao pensar em engravidar após aborto, é fundamental contar com a ajuda e o acompanhamento de um médico especialista em reprodução humana. Assim, será possível realizar uma série de consultas e exames para determinar a causa do aborto, tratá-la e viabilizar uma nova gravidez no momento certo.

Dependendo do caso, também pode ser necessário fazer acompanhamento da saúde mental para que a dor psicológica da perda seja superada, uma vez que, como dito anteriormente, a saúde emocional também precisa estar bem estruturada para uma nova gestação.

O aborto diminui a chance de uma nova gravidez?

Uma das principais preocupações das mulheres que passam por perdas gestacionais, principalmente as que sofreram esse episódio de forma recorrente, é com as chances de engravidar após o aborto.

Ainda que seja, à primeira vista, algo muito difícil de dar certo — sentimento que costuma ser potencializado pelo desgaste emocional provocado pela perda —, engravidar após o aborto é algo que pode ocorrer tranquilamente em pelo menos 70% das mulheres até 35 anos.

Isso ocorre porque a concepção é um momento diferente do aborto. No entanto, a partir dos 35 anos, a chance pode diminuir, ainda que não seja impossível. Além da idade, outros fatores devem ser considerados, como a causa e a frequência dos abortamentos.

Como encontrar a causa de abortos recorrentes?

Quando a mulher passa por um episódio de aborto espontâneo, deve ficar atenta e investigar o que o causou. Isso deve ser feito com mais urgência quando a situação é recorrente. Assim, é possível estabelecer um tratamento viável para que as perdas gestacionais não voltem a se repetir.

Com o apoio de um médico especialista em reprodução humana, é possível investigar as causas do aborto de repetição, que podem ser, entre outras:

  • Alterações genéticas no embrião;
  • Hábitos inadequados de vida, como tabagismo, alcoolismo, má alimentação e sedentarismo;
  • Alterações anatômicas no útero, trompas e ovários;
  • Alterações hormonais causadas por doenças, como a diabetes gestacional, insuficiência do corpo lúteo e síndrome dos ovários policísticos;
  • Causas hematológicas;
  • Doenças infecciosas;
  • Doenças imunológicas que levam à rejeição do embrião;
  • Trombofilias.

Como dito anteriormente, após a investigação minuciosa das causas — que pode ser só uma ou uma combinação de mais de um fator —, é possível determinar o melhor caminho para engravidar após um aborto.

Como a reprodução humana pode ajudar?

Após a identificação da causa do aborto espontâneo, o principal caminho a se seguir é estabelecer um tratamento para ela. Mesmo assim, em muitos casos, pode ser necessário contar com a ajuda de tratamentos de reprodução humana assistida para aumentar as chances de engravidar após aborto de forma saudável. Os principais são:

Fertilização in Vitro (FIV)

A FIV consiste na promoção do encontro do espermatozoide com o óvulo em um ambiente laboratorial. Para isso, os gametas são coletados do homem e da mulher, e os embriões gerados são cultivados e implantados após alguns dias de desenvolvimento.

Na FIV para engravidar após aborto, é possível realizar análises genéticas do embrião para avaliar a quantidade de cromossomos e outras alterações, garantindo, assim, maiores chances de sucesso na manutenção da gestação.

Doação de óvulos ou espermatozoides

Nos casos de abortos de repetição causados por alterações genéticas no embrião, o uso de óvulos ou espermatozoides provenientes de um doador anônimo pode ser considerado, de acordo com o membro do casal que tenha as alterações no material genético.

Para saber mais sobre como engravidar após aborto e outras possibilidades de tratamento em reprodução humana, entre em contato com a Mater Prime e agende sua consulta.

Fontes:

Mater Prime;

Organização Mundial da Saúde;

Ministério da Saúde;

Associação Brasileira de Reprodução Assistida.

Blog

Confira as últimas novidades do mundo da Reprodução Humana

Instagram Dr. Rodrigo RosaYoutube Dr. Rodrigo Rosa x