Prolactina Alta: Sintomas, causas, diagnóstico e tratamentos

Fale conosco pelo WhatsApp

A hiperprolactinemia é uma alteração hormonal que pode causar disfunções menstruais e infertilidade, sendo importante rastrear sua causa

A hiperprolactinemia — elevação dos níveis de prolactina — é uma alteração comum e esperada na gestante ou na lactante, mas que pode ter causas patológicas quando encontrada fora desses períodos. A prolactina é um hormônio cuja função está relacionada ao aumento da lactação e à inibição das gonadotrofinas hipofisárias (FSH e LH), portanto, gera repercussões tanto no ciclo menstrual quanto na fertilidade. Assim, em muitos casos é preciso investigar a causa de sua elevação e a tratar.

Afinal, o que é prolactina e qual a sua função no organismo?

A prolactina é um hormônio liberado pela porção anterior da hipófise, que se encontra naturalmente elevado durante a gestação e o aleitamento materno e cuja secreção é inibida pelo aumento da dopamina, neurotransmissor associado às emoções.

Dentre as funções da prolactina no organismo da mulher, pode-se citar:

  • Proliferação das glândulas mamárias;
  • Estímulo da lactação;
  • Manutenção dos receptores de LH no corpo lúteo;
  • Inibição de hormônios gonadotróficos.

Assim, a sintomatologia causada pela prolactina alta é bem diversa, podendo incluir galactorreia (produção excessiva de leite nas mamas), alterações no ciclo menstrual, diminuição da libido, dificuldades para engravidar e abortos recorrentes.

Como diagnosticar a prolactina alta?

A Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) orienta a pesquisa de prolactina no sangue quando a paciente apresentar queixas de galactorreia espontânea, irregularidade menstrual e infertilidade.

Assim, para diagnosticar a prolactina alta deve-se realizar um exame de sangue com dosagem desse hormônio, sendo que o valor de referência padrão da maioria dos laboratórios para mulheres adultas não gestantes nem lactantes é de 25 ng/ml.

Quais as causas de hiperprolactinemia?

As causas de prolactina alta na mulher são diversas, sendo que seu diagnóstico demanda uma ampla investigação das possíveis etiologias, que podem ser:

  • Tumores benignos da hipófise, os prolactinomas;
  • Uso de medicamentos que inibem a secreção de dopamina, como alguns antipsicóticos, antidepressivos, anti-hipertensivos, antieméticos e opioides;
  • Emocional, visto que a prolactina é inibida pela dopamina, um neurotransmissor associado à sensação de prazer, alegria e humor;
  • Doenças sistêmicas, como hipotireoidismo, doença de Addison, cirrose hepática e insuficiência renal;
  • Idiopática, ou seja, sem causa óbvia.

Como esse diagnóstico afeta o dia a dia da mulher?

Ao obter o diagnóstico de prolactina alta, é fundamental dar sequência a uma investigação aprofundada da causa, que pode estar associada a outros sintomas e ainda gerar estresse na rotina da mulher, visto que a hiperprolactinemia é um dos motivos de infertilidade.

Além disso, a prolactina alta também pode afetar as relações conjugais e sexuais, pois ao inibir o FSH e o LH, ela também reduz a libido, levando a problemas emocionais, sociais e dificuldades de gestar.

Prolactina alta e a fertilidade

A prolactina alta pode ter repercussão sobre a reprodução da mulher, causando infertilidade, visto que, quando elevada, ela altera desde a libido até os níveis de hormônios hipofisários que atuam nos ovários, como o FSH e o LH, como já mencionado.

Isso ocorre porque a prolactina é um hormônio que se encontra naturalmente alto durante a gestação e o aleitamento, momentos em que o organismo materno busca impedir a ocorrência de uma nova gestação para que a mãe possa se dedicar exclusivamente àquela prole.

Quais os tratamentos da hiperprolactinemia?

O tratamento para a hiperprolactinemia consiste em intervir na causa primária e administrar um agonista dopaminérgico, buscando, assim, promover o efeito frenador da dopamina sobre a prolactina. De acordo com o Ministério da Saúde, o uso desse medicamento é opcional para mulheres assintomáticas e com prole bem constituída, bem como para aquelas que estão na menopausa e com galactorreia leve.

Portanto, ao notar alterações no ciclo menstrual, galactorreia ou infertilidade, recomenda-se buscar atendimento médico especializado para investigar a possibilidade de prolactina alta e sua causa.

Entre em contato com a Mater Prime e saiba mais detalhes.

Fontes:

Febrasgo;

Ministério da Saúde.

Blog

Confira as últimas novidades do mundo da Reprodução Humana

Instagram Dr. Rodrigo RosaYoutube Dr. Rodrigo Rosa x