Método ROPA e maternidade compartilhada

Fale conosco pelo WhatsApp

Método ROPA permite que casais homoafetivos femininos tenham filhos e que ambas as mulheres participem do processo gestacional

A reprodução assistida é uma especialidade médica que viabiliza a gestação a partir de técnicas de baixa e de alta complexidades. Assim como pessoas com infertilidade, casais homoafetivos estão entre as pessoas que podem se beneficiar desses procedimentos. Uma das possibilidades para casais femininos é o chamado método ROPA.

Quero entender mais sobre o método ROPA!

Agende uma consulta

O que é o método ROPA?

As técnicas comumente utilizadas em casais de mulheres são a inseminação artificial e a fertilização in vitro com sêmen de doador. O método ROPA, que significa recepção de óvulos da parceira, permite compartilhar a maternidade na gestação do futuro bebê através da FIV.

No método ROPA, os óvulos de uma das mulheres são coletados por punção ovariana. Em seguida, esse material é fertilizado com sêmen proveniente de um banco de esperma. A fecundação é realizada em laboratório, e os embriões formados são escolhidos e introduzidos no útero da parceira, possibilitando assim que ambas participem ativamente da gestação.

Para quem o método ROPA é indicado?

O método ROPA é indicado para casais homoafetivos femininos que desejam partilhar e participar ativamente da gravidez. Ainda que o bebê herde o DNA da mulher que forneceu os óvulos, a epigenética sugere que esse material sofre alterações na expressão genética enquanto está no útero. Isso significa que a mulher que esta gestante também influencia em aspectos importantes, como a proteção a determinadas doenças.

Ainda que casais homoafetivos possam optar por inseminação artificial, técnica que consiste na inserção dos espermatozoides do doador diretamente na cavidade uterina, o método ROPA é possível apenas na fertilização in vitro por envolver as etapas de coleta de óvulos e inserção do embrião no útero.

Como é o tratamento do método ROPA

Os ciclos menstruais das duas mulheres precisam estar sincronizados para viabilizar o tratamento do método ROPA. Para isso, são prescritos medicamentos com a finalidade de equilibrar os períodos. O processo inicia-se entre o 2º e 3º dia da menstruação.

Em seguida, uma das mulheres passa pela estimulação ovariana para aumentar a produção de óvulos. O processo é acompanhado por meio de ultrassonografias e análises hormonais durante o tempo de maturação, que leva de 12 a 14 dias, até chegar o momento de a ovulação ocorrer. Em paralelo, a parceira passa pela preparação do endométrio para torná-lo receptivo aos embriões.

Assim, a mulher receptora dos embriões é tratada com progesterona ao mesmo tempo em que os óvulos da fornecedora atingem o tamanho adequado e são coletados por meio de punção folicular. A extração é feita em menos de 20 minutos sob efeito de sedação leve.

Os espermatozoides do doador são selecionados em laboratório e utilizados para fecundar os óvulos colhidos. Os embriões formados são, então, transferidos para a cavidade uterina quando apresentam a evolução necessária e a espessura do endométrio da mulher receptora atinge o nível ideal, melhorando as chances de implantação.

A transferência é rápida e indolor, sem a necessidade de aplicação de anestesia, sendo indicado somente que a paciente permaneça em repouso no dia. Após cerca de duas semanas é indicado realizar o exame de beta-hCG para confirmar a gestação.

Quero marcar uma consulta com um especialista da Mater Prime!

É possível escolher qual das mulheres do casal vai engravidar?

No método ROPA, é possível escolher quem cede os óvulos e quem engravida. Durante os testes que atestam a saúde do casal e investigam possíveis doenças causadoras de infertilidade, é possível avaliar também qual configuração permite maiores chances de desenvolvimento saudável da gestação.

Alguns fatores que comprometem a fertilidade feminina ou apresentam riscos para a gestação são:

  • Endometriose, miomas e pólipos que podem dificultar a implantação de embriões e favorecer a abortos espontâneos;
  • Idade da mulher, que influencia na qualidade dos óvulos e os problemas genéticos dos embriões;
  • Anatomia da região pélvica;
  • Presença de doenças de risco para a gestação, como a pressão alta ou diabetes

Existe idade máxima para realizar o procedimento?

Não apenas no caso do método ROPA, o Conselho Federal de Medicina determina a idade máxima da mulher em 50 anos para os procedimentos de reprodução assistida. O limite foi estabelecido por causa do aumento do risco obstétrico após essa idade, aumentando a incidência de:

  • Parto prematuro;
  • Bebês com peso abaixo do normal;
  • Diabetes gestacional;
  • Pré-eclâmpsia.

Qual a taxa de eficácia do método ROPA?

A taxa de sucesso do método ROPA depende de fatores como idade e qualidade dos materiais, e é semelhante aos casos de fertilização in vitro em mulheres que tiveram os próprios óvulos coletados, fecundados e inseridos no útero.

O que o CFM diz sobre o método ROPA?

O Conselho Federal de Medicina (CFM) autoriza as técnicas de reprodução assistida para casais homoafetivos formados por mulheres, incluindo assim a permissão do método ROPA. É necessário apenas seguir as regras do procedimento, como a idade máxima.

Como é feita a seleção do doador de sêmen?

A seleção do doador de sêmen pode ser feita através de banco de sêmen, de forma anônima e a escolha é realizada com base nas características fenotípicas do homem, possibilitando maiores semelhanças com os progenitores ou pode ser doação familiar de parente de até 4º grau, desde que não haja consanguinidade.

Entre em contato e agende uma consulta com os especialistas da Mater Prime!

Agende uma consulta

Fontes:

Conselho Federal de Medicina

Blog

Confira as últimas novidades do mundo da Reprodução Humana

Instagram Dr. Rodrigo RosaYoutube Dr. Rodrigo Rosa x