Fale conosco pelo WhatsApp

Relação entre Adenomiose e Infertilidade

Mulher com as mãos em frente ao útero

A doença pode dificultar a gestação, mas existem tratamentos que ajudam a mulher a recuperar a fertilidade e a realizar o sonho da maternidade

A adenomiose é uma doença benigna caracterizada pela presença de tecido do endométrio (camada que reveste o útero) dentro do miométrio, a camada muscular do útero. Geralmente, é mais comum em mulheres na faixa dos 40 a 50 anos, mas pode ocorrer também em mulheres mais jovens. Assim como acontece com a endometriose, doença que pode dificultar a gestação, também existe uma relação entre adenomiose e infertilidade.

Existem dois tipos de adenomiose:

  • Focal ou localizada:caracterizada pela presença de glândulas e de tecido endometrial em determinada região do útero;
  • Difusa:caracterizada pela presença de glândulas e de tecido endometrial por toda a extensão interna do útero.

A doença pode ainda ser classificada como superficial, intermediária e profunda, dependendo de quantas camadas de músculos são afetadas e dos tamanhos dos fragmentos.

O diagnóstico da adenomiose é feito por meio de uma avaliação do quadro clínico da paciente, pelo exame de ultrassom transvaginal e/ou de ressonância magnética de pelve. Ambos os exames de imagem conseguem analisar a parede muscular uterina para identificar sinais de adenomiose.

Principais causas da adenomiose

As causas mais frequentes de adenomiose são:

  • Parto cesárea;
  • Antecedentes de cirurgia uterina;
  • Histórico de aborto ou procedimento de curetagem;
  • Obesidade;
  • Menarca precoce;
  • Parto prematuro.

Conheça os sintomas da adenomiose

Cerca de 35% das mulheres que sofrem de adenomiose não apresentam sintomas. Quando estes surgem, os mais comuns são:

  • Sangramento menstrual intenso ou prolongado;
  • Cólicas fortes ou dor pélvica acentuada durante a menstruação;
  • Prisão de ventre;
  • Inchaço abdominal;
  • Aumento do volume do útero;
  • Infertilidade.

Adenomiose e infertilidade

Estimativas indicam que 14% das mulheres inférteis que apresentam dificuldade para engravidar têm adenomiose. Estudos que buscam demonstrar a relação entre adenomiose e infertilidade apontam que pacientes com a doença têm maior taxa de abortamento no primeiro trimestre de gestação, além de ter maior incidência de parto prematuro.

Porém, com o tratamento adequado, diminui-se o risco entre adenomiose e infertilidade e aumentam-se as chances de a gravidez ocorrer.

A dificuldade de engravidar para quem tem adenomiose ocorre no momento da nidação. Ou seja, após a fecundação do óvulo, o embrião viaja até o útero e precisa se fixar no endométrio para se desenvolver. No caso da mulher com adenomiose, essa fixação pode ser prejudicada, uma vez que há tecidos que não pertencem à parede uterina. Não são incomuns os casos de abortos espontâneos e de repetição entre as mulheres com adenomiose.

Como tratar adenomiose e infertilidade?

O tratamento da adenomiose tem o objetivo de minimizar os sintomas da doença e, principalmente, possibilitar a gravidez para a mulher que deseja engravidar. Nesse caso, o uso de técnicas de reprodução humana assistida associado a um tratamento medicamentoso prévio é a forma mais indicada de tratamento.

Os medicamentos utilizados no tratamento da adenomiose visam regular os hormônios e eliminar os sintomas causados pela doença. Os mais usados são:

  • Medicamentos análogos ao hormônio GnRH, responsável pela liberação de FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante) no corpo, dois ambos envolvidos na ovulação;
  • Medicamentos que impedem o crescimento do tecido do endométrio dentro do miométrio;
  • Pílulas anticoncepcionais usadas antes da gravidez que atuam fazendo a regulação hormonal;
  • Analgésicos.

O uso de análogos do GnRH antes da realização de técnicas de reprodução humana assistida aumenta a chance da ocorrência da gravidez após o tratamento.

Quando a mulher apresenta adenomiose e infertilidade, o tratamento de reprodução humana assistida indicado, na maioria das vezes, é o de fertilização in vitro.

Dieta anti-inflamatória e hábitos de vida saudáveis podem contribuir para melhora da doença.

Durante a gestação, pode haver diminuição da adenomiose devido à ausência de menstruação e à ação da progesterona no útero. Portanto, um tratamento de reprodução humana assistida pode contribuir tanto para a gestação quanto para o controle da doença.

Alguns estudos apontam que existe uma relação entre adenomiose e infertilidade, portanto, as mulheres que apresentam a doença e desejam engravidar devem procurar um médico especialista em reprodução humana assistida para que ele indique o tratamento adequado e faça o acompanhamento necessário.

Fontes:

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia;

Clínica de Reprodução Humana Mater Prime.

 

Desde 2012 ajudando pessoas a realizarem o sonho de gerar uma vida e formar uma família, a Mater Prime é uma clínica de reprodução humana que preza pelo atendimento humanizado e personalizado. Para isso, nosso espaço conta com uma estrutura completa e acolhedora, além de equipe especializada para tratar problemas de infertilidade.

Posts Recentes

Categorias

Inscreva-se na nossa newsletter

Receba novidades e dicas